Sabrina Orlandin | Nutri Materno Infantil

Blog

Consumo de peixe na gestação: o que pode e o que deve ser evitado

11.Mai

Consumo de peixe na gestação: o que pode e o que deve ser evitado | Sabrina Orlandin Nutricionista Materno-infantil

Alimentação e a gravidez são assuntos que mais geram dúvidas no consultório. Um dos questionamentos que mais chegam até mim é sobre o consumo de comidas japonesas, que levam em seus ingredientes peixes crus. Mas, afinal, está permitido ou não ingerir estes alimentos na gestação? Quais peixes e frutos do mar são recomendados neste período? Acompanhe o artigo e tire todas as suas dúvidas sobre o tema!

Qual é a orientação?

A recomendação geral é que as grávidas evitem o consumo de pratos ou comidas que contenham peixes crus, como sushis e sashimis. Ocorre que há o risco destes alimentos estarem contaminados com parasitas, que podem provocar intoxicações alimentares com sintomas como diarreia e vômito.

Ostras e outros mariscos também só devem ser saboreados se estiverem bem cozidos. Caso estejam crus, eles podem estar contaminados com bactérias e vírus, o que pode desencadear uma intoxicação alimentar na gestante.

Cuidado com o mercúrio!

Além das preparações cruas, as gestantes devem ficar atentas aos peixes que contêm alto índice de mercúrio, pois a substância pode prejudicar o desenvolvimento neurológico do bebê. Recomenda-se evitar ou comer em pouca quantidade os seguintes peixes: cação, peixe-espada e garoupa.

Os melhores peixes para ingerir na gestação

Embora haja restrições, como as listadas acima, o consumo de peixe deve sim ocorrer na gravidez. Uma das justificativas é a ingestão do DHA, um lipídio integrante do grupo Ômega-3. O consumo dele na gestação é essencial para a formação do sistema nervoso central do bebê, além de ajudar no aumento de peso da criança e na melhora da imunidade. O DHA está presente no atum, sardinha, salmão e também no óleo de peixe.

Outros peixes que estão liberados são o salmão, linguado, aranque e pescado. A orientação é ingerir de duas a três vezes por semana, grelhados ou assados. São excelentes fontes de fósforo e proteína.

Em caso de dúvidas ou quando a vontade for muito grande, sempre converse com seu médico ou nutricionista. Não se exponha a riscos desnecessários. Lembrando que eu estou à disposição para te acompanhar nesta fase tão especial; entre em contato e marque uma consulta.

Para mais dicas e orientações sobre o universo alimentar materno-infantil, acompanhe minhas redes sociais.

Clique para saber mais!
Receba nossa newsletter!